quinta-feira, 5 de outubro de 2017

O PSD E A SOCIAL-DEMOCRACIA (II)

No que consiste então uma ruptura com o estatismo socialista?
É assumir que os indivíduos são donos do seu próprio destino, que não há soluções perfeitas para a sociedade, e que o Estado deverá ser meramente um instrumento dessa sociedade, não para a formar, dirigir, ou controlar, mas para a proteger garantindo o respeito pelos valores que essa mesma sociedade entende como fundamentais.
É assumir que o Estado não pode continuar a ser um monstro burocrático que, tudo controlando, se torna, como Burke muito bem avisava, demasiado poderoso e capaz de esmagar a frágil, porque individual, liberdade dos cidadãos.
É assumir que o motor da economia são as pessoas e que são estas apenas que, livremente, perseguindo os seus objectivos individuais, são capazes de gerar a riqueza.
É assumir que a igualdade de facto é impossível de ser atingida, quer no ponto de partida, quer no ponto de chegada da vida e que, como Rawls famosamente estabeleceu, apenas se pode garantir que quanto melhor estiverem os que mais têm, mais recompensados deverão ser também os que menos têm.
É assumir que tudo o que é humano é naturalmente falível e que, por essa razão, a responsabilidade das tentativas, dos sucessos e dos erros deverá ser dos cidadãos. Ao Estado, igualmente falível porque composto por pessoas, cabe apenas evitar no natural campo das disputas sociais abusos de uns indivíduos face aos outros. No fundo, assuma-se que liberdade é igual a responsabilidade e que a perda – ou recusa – da segunda implica a perda da primeira.
É assumir que o Estado não pode ser ele próprio instrumento de abuso de uns indivíduos sobre os outros e que, por essa razão, uma das principais obrigações da sociedade é garantir que o Estado é limitado, fiscalizado e controlado pelos cidadãos, e não o inverso.
Finalmente, é assumir que o caminho da felicidade reside no trabalho, no engenho e na perseverança individuais e não nos negócios, nas benesses, nas honrarias ou nas oportunidades que o Estado pode garantir.
São palavras simples aquelas que aqui se exprimem, mas revelam uma revolução tão difícil quanto fundamental para com o status quo socialista e oligárquico que prende Portugal à situação actual. Na prática, implicam uma política que assuma estes valores, cortando com os interesses económicos poderosos que controlam o Estado, apelando aos eleitores para que lutem – eles próprios! – pela sua liberdade mostrando-lhes que aqueles que vendem facilidades e sonhos mais não oferecem do que uma mão cheia de nada e uma outra, escondida, cheia de uma dívida que nos agrilhoa o futuro. Trata-se de assumir com verdade e frontalidade que um futuro de bem estar e prosperidade apenas é possível se mudarmos de paradigma, se cortarmos de facto com o socialismo estatista.
O PSD é o único partido capaz de representar essa alternativa em Portugal. E apenas o poderá fazer diferenciando-se do PS (que representa a "situação") apresentando a alternativa que aqui se descreve, nunca esbatendo as diferenças ideológicas profundas que separam os dois partidos e assumindo um discurso complacente com o modelo estatista e socialista que é imperativo rejeitar.

(adaptado parcialmente daqui)

O PSD E A SOCIAL-DEMOCRACIA

Os valores do PPD|PSD são fundamentalmente compatíveis com a mudança de paradigma que é necessária para Portugal: a rejeição do socialismo. A social-democracia em Portugal afirmou-se não como o corolário de uma visão socialista para a sociedade mas, pelo contrário, como o contraponto liberalizante e ontologicamente conservador face ao socialismo moderado do Partido Socialista e ao socialismo radical da extrema-esquerda portuguesa. De facto, apesar de, como Maritheresa Fraín nos lembra, “os fundadores do PSD [terem adoptado] um programa não ideológico e pragmático”[1] onde “a designação do partido como social-democrata ajudou a reforçar as... credenciais «esquerdistas» [do PSD] no período em que ser de direita poderia significar um suicídio político”[2], não deixa de ser igualmente certo que o PSD, como representante da direita emergente no pós-25 de Abril, “procurou representar os interesses económicos e sociais dos homens de negócios, dos proprietários agrícolas, das profissões liberais, da classe média e dos trabalhadores não-marxistas das cidades e dos meios rurais”[3]. Ao mesmo tempo, o pragmatismo do PPD|PSD corresponde a uma coligação de valores que justificava o realismo pragmático que assumiu e que a imperiosa salvação nacional obrigava. Essa coligação de valores congregava sectores tradicionalmente social-democratas da oposição ao regime de Salazar e Caetano mas também, não menos importante, significativos elementos da burguesia liberal, principalmente nortenha, bem como elementos conservadores que muito facilmente poderiam ser descritos como defensores da democracia-cristã europeia. Marcelo Rebelo de Sousa resume: “É, pois, da confluência destes legados – social-cristão, social-liberal com afloramentos social-democráticos e social-tecnocrático – que nasce, ideologicamente o PSD”[4]. Em suma, a base ideológica do PPD|PSD congrega um ideário social-democrata (segundo Rebelo de Sousa em minoria), democrata-cristão e, naturalmente, liberal.
Não será, portanto, extremanente polémico afirmar-se que a social-democracia portuguesa tem raízes, quer no campo dos valores, quer no campo das pessoas que visava representar, bem díspares das suas congéneres europeias que se identificam com o socialismo. Tal coisa também se revelou na prática. Primeiro, através de Sá Carneiro e a forma como visou libertar o país da influência militar; depois, com Cavaco Silva, no processo de liberalização – e o correspondente progresso material – que o PPD|PSD conseguiu implementar nos anos 80 e 90 do Século XX. Não será demais, nem despropositado, relembrar que foi precisamente nesses anos que – com a oposição feroz do PS e da extrema-esquerda – se conseguiram implementar reformas, na altura igualmente "neo-liberais" e heréticas para a esquerda, mas que eram tão evidentemente fundamentais, tais como os bancos, as seguradoras e os órgãos de comunicação social poderem existir fora da esfera do Estado. Não será igualmente demais, nem despropositado, relembrar que foram precisamente esses anos os de maior progresso material da democracia portuguesa.
A mudança de paradigma político não visa acabar com o Estado-Social ou, muito menos, com o Estado. Ser pela liberdade não implica ser libertário. A mudança preconizada pelo PPD|PSD passa essencialmente por ter um Estado limitado pelos cidadãos ao invés de ter os cidadãos ao serviço do Estado e dos indivíduos que o controlam. Ou, por outras palavras, salvar o estado-social tornando-o mais eficaz, acessível, justo e menos dispendioso para os contribuintes.
Neste sentido, o que se exige é um esforço de libertação face aos constrangimentos herdados do salazarismo e do fervor revolucionário marxista, nomeadamente os constitucionais, que obrigam o país a ir vivendo no pântano estatista da perpétua criação de dívida. Acima de tudo, mais uma vez, aquilo que se pede do PPD|PSD é que seja capaz de implementar uma política séria, credível e eficaz para voltar a colocar Portugal na rota da prosperidade e do progresso material. Para isto é forçoso que o PPD|PSD seja fiel às suas origens e rejeite o papel colaboracionista com o PS que a oligarquia de interesses instalada em Portugal gostaria de lhe ver atribuído. Da mesma forma, no discurso, é fundamental que se compreenda que é pela rejeição do modelo socialista que Portugal poderá reencontrar-se com o caminho da prosperidade.


[1] Maritheresa Fraín, PPD\PSD e a Consolidação do Regime Democrático, Editorial Notícias, 1998, p. 243
[2] Ibidem, p. 243
[3] Ibidem, p. 14
[4] Marcelo Rebelo de Sousa, A Revolução e o Nascimento do PPD, Editora Bertrand, 2000, Volume I, p. 15

(adaptado parcialmente daqui)

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

PORTUGAL NO DIVÃ

Na ausência de explicações tradicionais para o estado de loucura generalizada em que o espaço público português vive parece-me que só falta uma visão psico-analítica para compor a coisa. Ora, cá está ela. São dois os arquétipos fundamentais que norteiam a vida humana, o arquétipo da Mãe e o do Velho Sábio, ou o do Pai. A Mãe é carinhosa, protectora, dá força, segurança e vitalidade. É o útero aconchegante. Em Portugal, a Mãe de todos nós é o PS. Dá empregos, estabilidade, promete que tudo vai correr bem e dá-nos sempre força para seguir no mesmo rumo. Daí, naturalmente, o país é do PS. Gosta de aeroportos, TGV's, estações de metro, fins da austeridade, reposição de rendimentos e demais guloseimas. A Mãe é boazinha e dá coisas. Guterres era bonzinho. Soares era bonacheirão. O outro arquétipo é a figura do Pai. Este é severo, austero, impõe limites e regras. Ensina-nos lições. Empurra-nos para a frente, mesmo se formos a berrar e a espernear. Em Portugal, o Pai é o PSD. Quer que cresçamos, exige trabalho e responsabilidade, fala de mudança. Quer regras e contas certas. Promete pouco, fala menos ainda. Cavaco foi o pai de toda uma geração de portugueses. Assim, o ciclo normal da coisa é o país escolher por regra o PS, a mãezinha que nos embala e diz que tudo vai ficar bem mas, quando o arquétipo maternal se transforma na sua variante negativa, o útero transformado num buraco escuro que nos engole, no nosso caso prático através da falência, então lá vamos nós a correr a pedir a ajuda, e a orientação, do Pai. O novo Pai é Passos coelho. O Pai que agora os infantes portugueses sonham matar como forma de afirmação adulta. Há algumas excepções, atenção, que confirmam a regra. Sócrates é a evidente: uma espécie de hermafrodita, juntou de forma megalánoma os dois arquétipos num só: a figura maternal do rosa PS com a postura inédita do governante austero. Resultado? A primeira maioria absoluta do PS e a maior falência do Estado dos últimos 40 anos. Outro hermafrodita arquetipal é Assunção Cristas: sobre a manta da direita conservadora (e austera) lá vai vendendo estações de metro ao quilo: é a Mãe Natal. Pelo que se vê, até agora a coisa vai resultando. António Costa, a mãe de todos nós, esse, vai de vento em poupa: até ao Quantitative Easing acabar. Quando a "Europa" deixar de comprar a dívida pública que sustenta a festa portuguesa, o útero gigante de Costa será, como sempre, substituído pela caverna abissal de uma nova falência. E os portugueses lá correrão atrás do paizinho, leia-se, o actual culpado de tudo o que há de errado no mundo, Passos Coelho. A questão é se ele ainda lá estará. Nos entretantos, as crianças lambuzam-se com o pote que a Mãe, às escondidas, lhes vai oferecendo. Deliciadas, sonham que durará para sempre. E, inconscientemente, dormem descansadas porque sabem que o Pai está ali ao virar da esquina para os vir safar do buraco em que, por teimosia infantil, se vão enfiando. Não, Portugal ainda não está pronto para matar Passos Coelho.

sábado, 30 de setembro de 2017

O CERCO (V)

Recebo a newsletter do Observador e, mesmo em dia de reflexão!, a segunda notícia em grande destaque, e única relativa à campanha autárquica, é para o facto de "a candidatura de Leal Coelho ter avisado [o observador] de que o PR ia passar na campanha", logo Leal coelho terá mentido quando afirmou que o encontro agora na berra seria casual. A seguir dá nota que Marcelo repudia Leal Coelho por esta dizer que o PR lhe teria ido dar uma palavra amiga. Este é o enredo ou, se preferirem, a "narrativa" da última polémica autárquica em Lisboa. Ora, três notas: (1) nem em dia de reflexão o Observador se abstém de, na única notícia relativa a eleições autárquicas, aproveitar para criticar Leal Coelho. (2) Um jornal revelar as informações que obtém de uma campanha por forma a obter notícias (neste caso que o PR ia passar) é, na essência, uma quebra de sigilo que as fontes esperam, legitimamente, ser respeitado por parte dos jornalistas. É um comportamento deplorável que mais não mostra do que a perseguição política que tem sido feita contra o PSD, Leal Coelho, tendo Passos Coelho como alvo máximo, pelo Observador na campanha autárquica de Lisboa. (3) Finalmente, quanto aos factos. O Observador foi lesto a apelidar Leal Coelho de mentirosa, reforçando a ideia com uma notícia em pleno dia de reflexão, e alicerçada na revelação de informação dada a título confidencial, mas esquece-se convenientemente de um pormenor: se foi avisado o Observador vinte minutos antes de que o PR ia ali passar, e se foi avisado pela campanha de Leal Coelho, então o PR terá avisado a campanha de Leal Coelho que iria ali passar. Isto é evidente e inegável. Se assim é, o PR avisaria Leal coelho, ou a sua campanha, de que iria visitar a sua campanha por que outra razão além de "dar uma palavra amiga"? Sobre isto o o Observador não se pergunta? Seria para quê a visita de Marcelo se não para dar uma palavra amiga? Seria para vilipendiar Leal Coelho? Para a criticar? Para lhe espetar uma facada nas costas? (esta talvez mas não seria anunciada) Ou seja, Leal Coelho, para proteger o PR, não diz que foi avisada, apesar de o ter sido, e o PR, para salvar a pele, acaba a fazê-la passar por mentirosa. Dez minutos depois o Observador larga a "notícia" de que Leal Coelho era mesmo mentirosa e a partir daí o palco está montado para mais um show "vamos todos bater na candidatura do PSD a Lisboa". O que vale é que todos sabemos que Marcelo não é dado a planos mirabolantes e maquiavélicos e que o Observador é um jornal independente. E assim se faz política (e suposto jornalismo) em Portugal. Chique a valer, hein?
#portugalnasmãosdosoligarcas

O CERCO (IV)

Tirando a névoa mediática, indo ao tutano, o facto mais relevante para o sistema político-partidário-económico português dos últimos anos foi a queda de Ricardo Salgado da sua posição central no (Prof. Marcelo dixit) "bloco central de interesses". Ponto. Desde aí, tudo o que se tem passado é uma tentativa de reorganização desse bloco que, para sua estabilidade, necessita de ver o grande responsável pela queda de Salgado, Passos Coelho, removido da sua posição central no sistema político português, sobrando o PS (sempre amigo dos poderosos que o sustentam) e Marcelo Rebelo de Sousa (amigo pessoal de Salgado). Daí a campanha negra mediática que está em curso contra ele, Passos Coelho, e, por arrasto, contra o PSD nestas autárquicas, levada a cabo pelos meios de comunicação social (detidos na sua larga maioria pelos poderosos oligarcas portugueses). É isto. Espantoso é ver a esquerda portuguesa, por conveniência, do lado do banqueiro arguido, unida em uníssono contra alguém que mais não fez do que a sua obrigação.
#portugalnasmãosdosoligarcas

O CERCO (III)

Consegue-se aferir o incómodo que alguém representa para a oligarquia de interesses instalada nos bastidores do estado-espectáculo português pelo nível de violência com o qual esse alguém é atacado na praça pública. Não tenho memória, sinceramente, de uma campanha negra concertada, tanto no nível político, como no partidário e, em particular, no mediático, tão violenta como aquela a que vou assistindo contra Passos Coelho. A nova intentona - de facto nova pois nunca tinha visto tal coisa - é uma candidata, sem se demitir, vir criticar o líder do partido pelo qual se candidata, tal como a sua própria cabeça de lista, na véspera das eleições. Na véspera das eleições, atente-se. Que outro motivo poderá haver para lá da pura e dura sabotagem? Salvo alguma incapacidade mental grave, que imagino não ser o caso, nenhum outro motivo se poderá imaginar. A oligarquia não brinca em serviço. No entanto, intuo eu, de tanto baterem no ceguinho, tal é o exagero, ainda o elevam a santo. E de santo a primeiro-ministro são apenas dois ou três Passos. Quanto mais batem no homem mais eu acredito que ele lá vai chegar outra vez.
#portugalnasmãosdosoligarcas

LINHAS DIREITAS T3




O Linhas Direitas, agora na crista da onda mediática, estará de regresso para a semana. Entretanto, fica aqui uma grande reportagem (3min) num programa de rádio de referência nacional sobre o iminente, e muito aguardado, regresso do Linhas Direitas para a sua terceira temporada.

PARADOXO

Existe algo intrinsecamente paradoxal no artista "rebelde", o roqueiro de longos e despenteados cabelos, com profusas tatuagens e cheio de piercings, que abre as portas de sua casa a jornalistas, apenas para mostrar as suas amplas salas confortavelmente atapetadas, plenas de cortinados de veludo, sofás almofadados de cor creme, paredes forradas com espelhos e quadros de talha dourada e muitas almofadinhas de decoração. Eu ainda sou do tempo em que os heróis, estes sim rebeldes, se finavam novos, exauridos, afogados em poças do seu próprio vómito, agarrados a garrafas ou seringas ou, ainda, com tiros auto-inflingidos, todos tragicamente auto-destruídos pelos excessos aos quais a sua recusa da normalidade os condenou. Eram os relembradores da tragédia. Sinceramente, quem é quer saber destes betinhos de hoje em dia, todos apologistas do saudável, todos muito salvadores do mundo, todos muito bonzinhos, e que se ofendem com umas bocas se forem "politicamente incorrectas", isto enquanto se ocupam a rodar anúncios televisivos que lhes rendem milhões para gastar em decoradoras de interiores?

O CERCO (II)

Já apenas por curiosidade, e considerando aquilo que aqui escrevi ontem, vou ao Observador ver a sua cobertura das eleições autárquicas. Sinceramente, a coisa está a tornar-se ridícula. Entre a notícia onde Costa diz que o país está a recuperar (uma "notícia autárquica", claro) e umas coisas do PCP no Alentejo, o destaque principal vai, naturalmente, para alguém que não é nem autarca nem candidato a alguma câmara: Rui Rio. Em grande manchete, lá nos vem relembrar que "o PSD está numa situação muito difícil". Muito obrigado. Depois, outra notícia de outro autarca: Morais Sarmento. Este diz que "Passos terá que prestar contas". Tudo muito autárquico. Mais abaixo, um título que faz pouco de Jerónimo de Sousa, de Rui Moreira e, claro está, da "sardinha" Leal Coelho. E isto tudo ainda antes de chegar ao caderno de Lisboa onde se relata a campanha na capital. Aí, duas notícias: a de ontem, sobre Cristas (a líder que consolida a liderança) e Leal Coelho (a amiga do líder, Passos Coelho, que fragiliza a sua liderança); e outro link, a notícia de hoje, onde se dá nota que Portas aparece para apoiar Cristas e que, no lado do PSD, aparece Fernando Negrão, qualificado imediatamente como, e cito, "o candidato a Lisboa que teve o pior resultado de sempre". Mas isto não chega, mais à frente, o subtítulo já é mais claro: o apoio de hoje de Leal Coelho, Negrão, é "o pior candidato de sempre". De facto, não é preciso mentir para se fazer campanha eleitoral - e péssimo jornalismo. O cerco a Passos Coelho continua e os seus adversários não são Morais Sarmento ou Rui Rio, os aliados circunstanciais do momento. Não, os adversários de Passos Coelho são os poderosos oligarcas do regime, os donos disso tudo, incluindo os jornais.
#portugalnasmãosdosoligarcas

O CERCO

Não há dia que a newsletter do Observador, o último resquício de imprensa portuguesa que acompanho, não me venha relembrar que a liderança de Passos Coelho está "fragilizada", "em risco" ou, como hoje, "em jogo". Ao mesmo tempo, recorrentemente, desde há anos, é anunciado o seu sucessor, Rui Rio, o homem que "ganha apoios", "reúne com apoiantes" ou "conta espingardas". E isto no Observador, supostamente um espaço mediático liberto do complexo de esquerda. Ao mesmo tempo, Cristas, a sucessora de Portas e fiel executante da sua estratégia de substituir o PSD como o grande partido da "direita", oferecendo-se como o pilar direito para sustentar, junto com o PS, o bloco central de interesses que alimenta a oligarquia vigente, essa, Cristas, aparece-me todos os dias em grande: a andar de mota, a andar de metro, a visitar isto e aquilo, enquanto, e passo a citar, "consolida a sua liderança". A luta autárquica é assim, convenientemente, reduzida a dois movimentos proporcionais e, querem fazer-nos crer, interligados: o enfraquecimento de Passos e o fortalecimento de Cristas. Só por isto, estivesse eu em Lisboa, e já votaria (apesar do posicionamento sobre o alojamento local) em Leal Coelho. Isto por uma razão: aquilo que permite que o CDS se queira tristemente alçar a ser a pata direita da oligarquia de interesses portuguesa é porque Passos Coelho representa, precisamente, o grande adversário dessa mesma oligarquia dos interesses: afinal, foi ele que deixou cair Salgado. Sobre isto, curiosamente, ninguém fala. E assim temos uma situação onde o apoio a Passos Coelho se revela como necessário e imprescindível: é ele o herói derradeiro que, sem complexos, representa a maior ameaça para a rede de interesses que comanda o país e da qual Costa, tal como Sócrates, nunca mais almejou além do que dela fazer parte e, dessa forma, colher os seus frutos. Passos Coelho, com todos os seus defeitos, é a alternativa. E por isso, com toda a força, a oligarquia vigente através dos media que largamente controla, o ataca, dia após dia, com todas as suas armas. Quanto mais oiço, leio e vejo o ataque cerrado, concertado e global ao líder do PSD mais me convenço que ele é o único que, de facto, representa uma alternativa à pouca vergonha que tomou conta do país. Terá, portanto, todo o meu apoio.
#portugalnasmãosdosoligarcas

UM EMBARAÇO

A ideia de que partilho o meu Teravô, um peixe perdido algures no Oceano Pantalássico, com seres como o António Costa ou a Catarina Martins atormenta-me o espírito e representa um embaraço para a família.

ABJECTO

Se tivessem um professor na escola a perguntar ao vosso filho se não se sentiria melhor deixando crescer o cabelo, ou à vossa filha se não preferiria que esta rapasse o cabelo, eram capazes de pensar que o professor tinha perdido o tino e que não tinha nada que andar a importunar os vossos filhos sobre a forma como estes preferem ter o cabelo. Na verdade, ninguém tem nada que ver com o assunto e perguntas indiscretas, pessoais mesmo, deste género seriam rapidamente reportadas como abusivas. Se isto é assim, então, por que raio haveremos de achar normal que andem professores primários a perguntar aos nossos filhos se se sentem bem como rapazes ou às nossas filhas se sentem bem como raparigas? E que isto faça parte do curriculum da escola pública? Não será isto um abuso, uma perversão asquerosa mesmo, ter professores a indagar acerca do sexo dos nossos filhos? É que é isto que a extrema-esquerda europeia acha que é o progresso.

DO IRREVOGÁVEL

Estava eu a perorar sobre a decadência do jornalismo quando tenho aqui um exemplo de que nem tudo estará perdido. Irei, certamente, adquirir o livro. Nos entretantos, a ser verdade o que aqui se diz, explica-se muita coisa e tiram-se algumas notas:
Primeiro, que Portas compreendeu que a via para cumprir o seu sonho (substituir o PSD como o grande partido da "direita") passa mais por ser o parceiro dos negócios da oligarquia vigente, e um dos pilares do status quo, do que pelo voto eleitoral que nunca conseguiu conquistar;
Segundo, que Cristas e a sua ligação angolana, a imediata ruptura com a coligação que levou a cabo mal foi eleita, bem como a sua candidatura a Lisboa, representam a continuação dessa estratégia;
Consequentemente, em terceiro lugar, percebe-se que o objectivo do CDS é mesmo uma aliança futura com o PS, nem que seja mais disfarçada e meramente no plano da gestão dos interesses partidários de ambos (que são coincidentes: isolar e neutralizar o PSD);
Finalmente, em conclusão, torna-se evidente que Passos Coelho representa hoje a derradeira alternativa ao bloco central dos interesses dos poderosos oligarcas que mandam em Portugal. Foi com ele que se conseguiu impedir que a factura da fraude do BES caísse em cima dos contribuintes e que Salgado, o Dono Disto Tudo, continuasse, impune, o seu reinado de bastidores. E assim se percebe porquê toda a imprensa (toda mesmo) mais não faz do que criticar e bater em Passos Coelho, do que publicar notícias sobre a sucessão de Passos Coelho ou anunciar a sua morte política: é ele o derradeiro adversário a abater. A oligarquia poderosa que manda não brinca em serviço.
Sim, sim, isto explica muita coisa.
#portugalnasmãosdosoligarcas

ZEITGEIST (II)

Leio no Observador, a propósito das eleições alemãs, que "a extrema-direita entra no parlamento alemão pela primeira vez desde 1945". Ou seja, para a jornalista, a AfD ou o Nacional-Socialismo de Hitler são uma e a mesma coisa. Para se pensar de tal modo ou se é profundamente ignorante (sobre a AfD e\ou o Nacional-Socialismo) ou se quer, disfarçada mas conscientemente, passar a mensagem de que o inimigo que assola a Europa são os nazis intolerantes agora súbita e misteriosamente ressuscitados. Seja ignorância seja intenção, no fundo, a conclusão é que no jornalismo mainstream lêem todos da mesma cartilha simplista e papagueiam todos as mesmas banalidades sem um pingo de reflexão sobre o filme que lhes passa mesmo em frente do nariz. Ou seja, são terreno fértil para a propaganda multiculturalista do status quo, sempre impingida nas entrelinhas do politicamente correcto, e cuja falência, essa sim, está na origem da subida eleitoral daqueles que a rejeitam. Comparar este fenómeno com o racismo bélico e expansionista do totalitarismo Nazi é, do ponto de vista intelectual, um atentado. Poucas coisas serão tão sintomáticas da decadência democrática como o proto-desaparecimento do jornalismo crítico, independente e inteligente. Mas a vida é assim: todos os defuntos precisam das suas carpideiras.

ZEITGEIST

Que na Alemanha a AfD tenha tido 13% dos votos e a CDU e o SPD, parceiros na política governamental aberta de imigração recente, tenham tido, ambos!, o pior resultado individual dos últimos 60 anos, tudo isto só poderá ser uma enorme coincidência. A culpa será, para a inteligência multicultural mediática, naturalmente, de Hitler e/ou da contemporânea intolerância supostamente neo-liberal. Nada que mais uns quantos programas sociais de desradicalização dos refugiados/imigrantes não resolvam, pensarão eles. Para esses iluminados nada pode travar o sucesso da ideologia multicultural: mesmo que o preço a pagar seja a destruição, a curto prazo, do projecto europeu e, a longo prazo, o desmoronar da civilização ocidental. Senão vejamos: aí no burgo, certamente, a extrema-esquerda, agora governamental, continuará a sua propaganda em frente de um silêncio mediático apropriado, mas, igualmente triste, é que na Alemanha, tal como em França, ou na Holanda, apenas os anti-europeístas se manifestem contra a destruição dos valores europeus. Daí o inevitável deitar fora o bebé junto com a água suja. Com o silêncio do centro sobram então dois extremos: de um lado, os marxistas das mudanças de sexo aos 12 ou 16 anos e os vivas às virtudes islâmicas, do outro, as chamadas extremas direitas. Quem acham que, a tempo, ganhará? E, mais importante, entre uns e outros, a ter que escolher, no segredo da cabine de voto, quem preferirão os europeus? Não me parece que a resposta seja muito difícil. Triste, sem dúvida. E, nos entretantos, tal como em França, celebra-se mais uma "vitória da democracia". Abram o espumante, é beber enquanto é tempo.

189

Oiço na Antena 2 que este ano os hóspedes do Airbnb já gastaram em Lisboa 189 milhões de euros em restaurantes. Uma vergonha! O melhor seria acabar com isto e por a malta toda que vive desse dinheiro em casa a receber os 700 euros por mês que o governo quer dar aos jovens que nem estudam nem trabalham. Isso e trazer as saudosas prostitutas de volta ali para as ruínas agora recuperadas da zona do Cais do Sodré. Turista é fascista, Portugal é para os portugueses (e refugiados).

COMMUNISM KILLS




Destas vítimas as Catarinas, os Bernardinos e restante tropa fandanga não têm pena nenhuma. E, não tenhamos dúvidas, tal como o vizinho Iglesias e demais aliados de Chávez e Maduro, tendo o poder, acabariam a fazer exactamente a mesma coisa. Se há um facto historicamente comprovado é este: onde o socialismo radical e o comunismo triunfaram, triunfou igualmente a violência, a miséria e a morte. Isto, digam o que disserem estes mentirosos oportunistas, é um facto.

LOGOS

É o Trump contra o Rocket Man norte-coreano na ONU e o André Ventura contra o Bernardino em Loures. Isto está tudo ligado.

OS INIMIGOS ESTÃO DENTRO DO CASTELO





O grande objetivo desta gente da extrema-esquerda é a destruição da civilização ocidental. Para isso é forçoso (Burke explica) isolar o indivíduo que, sozinho, nada poderá contra o poderoso Estado. Isolar o indivíduo implica hoje a destruição da família tradicional. Simples. A família ninguém a legislou, ninguém a criou, ninguém a impôs. É o ambiente natural onde os humanos, no seu ninho, se sentem seguros e onde se preparam para enfrentar as agruras da vida. É uma criação natural. Já este ataque contínuo em nome do homem novo é legislado, pensado e imposto por uns quantos iluminados que se arrogam, e imaginam, como uma espécie de vanguarda do progresso. Mas não são mais do que homens e mulheres, carecendo portanto de qualquer legitimidade para o fazerem para lá da sua própria ideologia totalitária. Tão totalitária que quer regular o sexo das pessoas. O absurdo desta proposta não se limita à ideia dos 16 anos, ou seja, indivíduos aos quais nem sequer lhes é reconhecida a maturidade suficiente para votar(!!!) já teriam maturidade para poder "mudar de sexo". Mas, repare-se, é também estapafúrdia, mas nada inocente, na noção de que o Estado pode entrar pela esfera privada da família e, colocando-se entre pais e filhos, impor esta possibilidade de "mudança de sexo" a todos, repito: todos, os adolescentes. Em seguida, através da escola pública, anunciar e inculcar essa possibilidade às crianças. É isto que queremos para os nossos filhos? Ah, podem bem ter a certeza que não. Isto para não falar no engodo ideológico que é toda a história da "mudança de sexo". Qualquer pessoa com um mínimo conhecimento de biologia sabe muito bem que os humanos nascem, e morrem, ou homens ou mulheres. A "mudança de sexo" não muda sexo algum que, cromossomaticamente, é impossível de ser mudado. Apenas disfarça e mascara, através de mutilações, implantes e hormonas, um sexo em outro sexo. Muda, portanto, a aparência do sexo, não muda o sexo em si. Ou seja: não existe mudança de sexo. E quer esta gente colocar adolescentes de 16 anos a poder tomar decisões sozinhos sobre um processo tão violento como este em nome de uma ideologia? E quer esta gente entrar pela nossa casa dentro e colocar esta violência na cabeça dos nossos filhos? Esta gente tem que ser derrotada. Não tenhamos dúvidas sobre isto.

MANICÓMIO

Como as eleições autárquicas são no próximo dia 1 de Outubro, não vá o diabo tecê-las, o regresso a Bruxelas está marcado para dia 23 de Setembro. Mesmo assim, estou a pisar gelo fino: algum percalço e ainda sou forçado a escolher entre três candidatos contra o alojamento local, e essa pérfida invasão turística, e dois pretensos marxistas que, tirando o sucesso com o público feminino, mais não pretendem do que contribuir para a destruição, tijolo a tijolo, da civilização ocidental. Dizem que são as eleições autárquicas e que isto é uma espécie de democracia. Diria eu que mais parece um manicómio mas, enfim, é que há. Adeusinho e até ao Natal.